sexta-feira, 4 de junho de 2010

Efusões, livrarias e outras coisas juntas...

sexta-feira, 4 de junho de 2010

 

felicia

Sou detalhista, exagerado, muito falante, bem humorado na mesma proporção que o inverso dessa lista... acho que rigorosamente na mesma proporção. Exagerei claro!
Sou ótimo ouvinte desde que você me deixe falar alguma hora... Amo falar, por isso tenho dificuldades com terapia, somente porque odeio quando o tempo acaba, e depois me sinto ridículo de pagar uma pessoa pra me ouvir tagarelar, ao mesmo tempo que amo fazê-lo e acho essencial quando se precisa.
Mas não sou prolixo nem falastrão, por outro lado estou longe de ser lacônico... na verdade sou uma enxurrada de informações, penso mais rápido do que falo... mas isso melhorou, e como melhorou!

Uma outra característica: sou tímido, do tipo que chega nas festas escolhe a primeira pessoa conhecida que vê pela frente, senta e conversa com ela, as vezes dou o azar de pegar o plantão da mais chata, lógico que sempre me arrependo, mas preciso disso porque só assim consigo me ambientar pra depois cumprimentar as outras pessoas... Não me pergunte como enfrento uma platéia com a maior naturalidade do mundo.

Outra coisa, penso que bibliotecas e livrarias são lugares sagrados onde o silêncio se auto-impõe, deixei de frequentar uma livraria por que os vendedores cometiam o sacrílego ato de falar berrando, além de fazer brincadeiras babacas uns com os outros, imagino que o último emprego deles deveria ter sido numa feira livre. Também já fui encontrado por uma pessoa efusivíssissima numa livraria, se ainda fosse na anterior, apresentava pros vendedores e saia correndo, mas nessa quase dava pra meditar de tão silenciosa, o que piorou a situação.

Tenho dificuldades com gente efusiva, não sei o que fazer perto delas, acabo virando o "animalzinho nas mãos da Felicia", dai elas podem fazer o que bem quiserem pois perco a ação.
Falando nisso, estava eu andando pela cidade, quando vejo a muitos metros de distância uma dessas efusões ambulantes vindo em minha direção com um sorriso orelha a orelha, e já conversando comigo de lá...
Entrei em pânico pois não me lembrava nem de longe - literalmente - quem era a tal senhora... Quando chegou perto me abraçou, beijou, e falou, falou e falou !! me perguntava sobre a família citando nomes e eu  em estado hipnótico pensava...
-
Lembra, lembra, lembra!!...quem é essa dona Jesus?!!
Não precisei lembrar, ela dali mesmo me abraçou e beijou novamente, desejou felicidades e "lembranças" a todos e foi embora feliz da vida... simples assim.
Quanto a mim?!
Fiquei o resto da tarde, me torturando pra lembrar quem era a desconhecida festeira que sabia até meu nome.

Obs: minha dificuldade com efusivos é apenas por causa de minha timidez…

41 contribuições para o avesso do Blog:

Marcelo Moraes disse...

Ainda bem que por aqui ainda é possível encontrar livrarias com funcionários que vestem a camisa dela. Já falar de timidez, a coisa muda e muita coisa em nossas vidas tomam rumos distintos se a nossa lábia fosse mais solta, né?

Abraço.

paula barros disse...

Como sempre fico rindo em algumas passagens, em outras me identifico...

Adorei essa passagem: "Sou ótimo ouvinte desde que você me deixe falar alguma hora..."

E me escute com o olhar, com o corpo, com o todo...completo eu.

abraço

Dama de Cinzas disse...

Me identifiquei totalmente com o primeiro parágrafo do seu post, até por isso tem sido uma tortura encontrar qualquer pessoa conhecida, porque quero falar e estou proibida, daí me deprime demais...

Já na questão da timidez, eu já fui bem mais tímida, daí criei uma personagem que me salva e tem gente que ri de mim quando afirmo que sou tímida, e sou. Só que eu finjo muito bem. Mas ainda tem algumas situações que me deixam com aquela vontade de cortar as mãos por não saber onde enfiá-las e sem saber o que dizer. Mas no geral eu consigo fingir bem e finjo tão bem que passo pela tal pessoa efusiva que faz festa pra todo mundo... rs...

No trabalho sou conhecida como a maior cara de pau. Eles ficam apostando a hora que vão conseguir me fazer ficar vermelha, mas eu que os faço... rs

É a minha personagem que está sempre em ação, não uma personagem que esconde quem eu sou, mas que esconde caracteristicas chatinhas da minha personalidade...

Numa festa? Sou a primeira a sair dançando e puxando todo mundo... Danço em qualquer lugar pra qualquer platéia... Mas não me peça pra falar em público, é a morte... seja pra duas pessoas eu já engasgo... rs

Beijocas

Serginho Tavares disse...

adorei saber mais sobre você querido e quando te conhecer já sei que você vai estar lacônico devido minha efusividade de te dar um mega abraço!

abração

Lila disse...

Rs....Amo livrarias, o silêncio e o aroma dos livros me fascinam, não consigo vêr ninguem...ainda bem pq, sou dessas pessoas que riem de orelha a orelha e falam mais que a boca...( Jesus Cristo, a partir de hj vou me controlar....rs)
Menino Robson...o tal "guru" do Francisco bateu em minha porta, mandei pra ti ( acho que resultou né,,,rs).
Bjs e ótimo final de semana.

Fernanda Huppert disse...

Oi Robson, nossa esta descrição é quase a minha, rs.
Sou tão resevarda a certas coisas que isso me torna coisa uma alien perto de algumas pessoas.Já tive tal experiência citada por você, sobre encontrar pessoas, as mesmas falarem, falarem nomes, acontecimentos e eu ter que ficar ali sorrindo com cara de paisagem tentando lembrar pelo menos o nome de uma delas, e depois fico tentando martelar a minha cabeça e de minha mãe falando sobre as características das mesmas para que derrepente ela se lembre quem são.rs

Sobre a livraria, concordo em gênero, numero e grau...deixei de comprar livros em muitas que entrei pela abordagem e pelo ambiente de bagunça.

É muito estranho e engraçado isso.rs

Representou bem o post com esta travessa da Felícia.

Abraços
Fê.

Mila disse...

Sei beeeeeem como é ser o avesso de tanta coisa! Ai ai, difícil ser a gente, viu! Hahahahaha!
Eu tenho meus momentos efusivos e reclusos... uma coisa!
Vc já fez o teste de personalidade do MBTI? É super legal! Sei lá, eu adoro essas coisas que falam mais de mim que eu mesma.
E sabe... funcionário de livraria deveria ter formação nisso! Porque é difícil, viu...
Beijocas

Júnior disse...

eu tenho medo de gente afoita desde que minha tia vinha me visitar e me tratava como almofada.

Eu corria de medo.

Laysha Vampira disse...

hehehehe

Gostei do blog... gostei da sinceridade, adoro pessoas que têm senso de humor!

Muuuito bom... pode ficar tranquilo que não vou lhe convidar para me visitar! hehehe

Suas fotos... risos verdadeiros, me fizeram bem. Parabéns!

Beijos sangrentos da vampira Laysha.

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

No fundo, pra mim, vc é lindo, como o seu belo post e blog! Amei********

No fundo, as relações entre mim e ti cabem na palma da mão: onde o teu corpo se esconde e de onde, quando sopro por entre os dedos, foge como fumo um pequeno pássaro, ou um simples segredo que guardávamos para a noite.

Nuno Júdice, em "O Movimento do Mundo"

Beijos, querido!
Boas-Vindas!!!!
Bom Dia!!!

Isa disse...

Ora então...sou o contrário de ti:
alegre,brincalhona,raramente aborrecida...etc e tal (esta é a parte mais completa)
Obrigada pelo abraço que me soube ao meu doce preferido:mousse de chocolate.
Beijo.
isa.

Jacinta Dantas disse...

Temos algo em comum: também penso muito mais rápido do que falo. Ah minha fala... sempre tão lenta. Mas não reclamo. Aceito-a, do jeito que é.

Estou por aqui, conhecendo seu espaço. Conhecendo e gostando vou ficando mais um pouquinho.

Aline Lima disse...

Ahhh..adorei o post..e concordo plenamente com vc, qndo diz que livraria e biblioteca é lugar de silencio!!hehehe...adoroooo!!
Tô passando por aki a primeira vez...prometo voltar mais vezes!! :)

Edu disse...

Esse Serginho... Eu vi primeiro!!! :-)

Platéia é fácil, é aquela coisa de imaginar todo mundo pelado. problema é ficar de pau duro, mas aí...

Abraços mais ou menos efusivos! Tb sou tímido. :-)

Poupée Amélie™ disse...

Olá! Obrigada pela visita em meu blog e pelo comentário registrado.

Gostei do texto bem escrito e de conhecê-lo já na primeira visita.

BjO*

Voltarei +++ vezes!

Marcos disse...

Também tenho panico de pessoas alegres e falantes demais... ninguém consegue viver uma vida assim. Então prefiro ficar na minha e de vez em quando ter surtos do felicidades do que o cntrário...

Não que eu seja tímido, mas eu gosto de analisar o ambiente antes de me posicionar. Não sou de chegar chegando. Mas depois que me enturmei ai tá tranquilo.

Agora falar alto em livrarias é péssimo se você não fosse tão timido poderia chegar dando voadora nos caras e gritando para eles calarem a boca.

Abçs

[Farelos e Sílabas] disse...

===

Robson, meu grato de amigo, o detalhe é que você não é o que os outros esperam de ti, daí porque essa tua “inadequação” ser o que mais contagia [aos olhos dos sábios] e o que mais incomoda [aos olhos dos demais, os que berram no silêncio, os que se acendem mais que as lâmpadas, etc].

Gosto quando você fala, pois sempre deixa a brecha da alma entreaberta. Gosto quando você escreve porque sapeca tudo das tuas impressões digitais e do ser. Gosto quando canta [sei que a maioria dos blogueiros veio descobrir este dom em ti somente há pouco tempo!] porque afina o ouvido com ares de sentimento. Gosto até da tua timidez, o que te molda o bom senso.

Obrigado pelas palavras, meu rapazinho. Gosto das tuas letras também! [rs]

Bom final de semana!

===

Robson Schneider disse...

"Os que berram no silêncio, os que se acendem mais que as lâmpadas..."
Isso foi perfeito amigão!

[Farelos e Sílabas] disse...

===

[rs]

Ups: "meu grato amigo", e não "meu grato de amigo".

[...] abraços, Robson!

===

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

E ontem sábado, e que bom que os *efusões, livrarias e outras coisas juntas... estão aqui*! Sempre*

*Num dia excessivamente nítido,
Dia em que dava a vontade de ter trabalhado muito
Para nele não trabalhar nada,
Entrevi, como uma estrada por entre as árvores,
O que talvez seja o Grande Segredo,
Aquele Grande Mistério de que os poetas falsos falam.
Vi que não há Natureza,
Que Natureza não existe,
Que há montes, vales, planícies,
Que há árvores, flores, ervas,
Que há rios e pedras,
Mas que não há um todo a que isso pertença,
Que um conjunto real e verdadeiro
É uma doença das nossas ideias.
A Natureza é partes sem um todo.
Isto é talvez o tal mistério de que falam.
Foi isto o que sem pensar nem parar,
Acertei que devia ser a verdade
Que todos andam a achar e que não acham,
E que só eu, porque a não fui achar, achei.

Alberto Caeiro

Beijos, querido*
Bom Dia*********

Lobo Cinzento disse...

Eu sou prolixo e desfocado, o que só piora a situação.

E eu morro de medo de quando pessoas desconhecidas aparecem do além te cumprimentando, e você não lembra delas. Se elas começarem a falar detalhes da sua então, ai mesmo que entro em pânico. "Meu deus, um stalker!" ahauahaua

Abraços Robson!

Helena Castelli disse...

Olá Robson, rindo aqui após ler o texto. Também estou até hoje tentando lembrar quem era aquela efusiva senhora que até apertou minhas bochechas como se criança eu fosse...

Beijos de bom domingo.
Helena

Edu disse...

Tímido: opa, sou sim. Talvez hoje menos do que ontem - também ajudou ter dado cursos por uns tempos, no trabalho. E talvez menos com pessoas que eu já "conheço" pelos blogs. Mas ainda tímido para o mais importante: dizer assim na lata o quanto eu gosto de você e dar um abraço apertado. :-)

Marilu disse...

Olá Robson, invadindo seu espaço, mas valeu a pena, belo texto, me identifico com você em "pensar mais rápido que escrever ou falar"., as vezes misturo duas palavras, rsrs...Beijocas

Ownando disse...

É a vida é mesmo engraçada.. me identifiquei com muitas coisas que você citou nesse texto, no teu jeito de ser. E concordo com a parte da livraria, seria muito melhor se fossem lugares silenciosos todos! Bom.. só me resta desejar boa sorte na próxima vez que você for a uma festa, que encontre uma pessoa legal pra conversar... rs

claudete disse...

decididamente: gostei muito do seu blog, e agradeço sua visita e comentário. Também ainda não entedi como podemos ser tão efusivos diante de uma imensa platéia e tremendamente tímidos no face-to-face. Abraço.

Andrea Pagano disse...

Nossa quanto comentário, achei que não ia achar o final da página! rsrsr

Eu sou péssima com nomes, então vivo fazendo essas perguntas, de onde, como, quando...e demoro horas, dias para finalmente lembrar da significância ou não da pessoa...

Eu não sou nem isso nem aquilo, depende, sou uma ariana, ser mutante...rsrsr então dias com picos de alegrias, outros murcha..murcha..que preciso ser assoprada para continuar...

Livrarias pequenas e quietas com a minha filha apaixonada por livros?
Impossível!
Tem que ser as megas...pois dai o estusiasmo dela se dissipa com os outros sons...Ela fica tão eufórica com a quantidade e possibilidade de "fuçar" nas dezenas de livros que não se contém...é um tal de mãe para cá ...mãe para lá...rsrsr

(Desculpe o grande comentário.)

Bjs

Mari disse...

Robson...
Adorei o seu texto.
Olha eu já passei pela mesma situação e estou até hoje sem saber quem foi que me perguntou da família toda! rsrs
Boa semana!
Abraço
Mari

Rosangela Neri disse...

Muito bom saber que temos umas coisinhas em comum rsrsrsrsrs

Boa semana e que por tudo e por todos sejamos felizes do jeitinho que somos.

Beijinhos da bisbilhoteira

Wash disse...

Bem elaborado seu blog, parabéns.
Observando as nuances da sua personalidade percebi uma coisa que eu também faço.
Procuro logo um porto seguro. Rsrsrs
Abraços.

Inside Me disse...

kkkkkkkkkkk, ainda to aqui rindoooo imaginando a cena com a "dona jesus" kkkkkkkkk, q hilário... eu sou péssima [no sentindo extenso da palavra] pra lembrar nomes, ai meu Deus, como ensino há quase uma década, tive inúmeros alunos, vejo alguns e falam comigo e eu louca sem saber o nome nem por reza braba, rs rs... mas rosots dificilmente esqueço [grazadeus o/ ], ah eu me vi aqui: " penso mais rápido do que falo..." 2 tagarelas num mesmo lugar, só Deus pra aguentar...
e oh dó de vc sendo o anilmazinho nas mãos da felícia =D tsc tsc tsc
eu tenho a síndrome da felícia no sentido de apertar e morder [relativamente devagar] os pequetuchos q eu adoroo, [os coitados sempre reclamam, ai ai rs]mas não consigo comtrolar, eles devem ficar o tempo todo imaginando: "somebody save meeeeeeeeeeee" pena q o superman nunca aparece, kkkkkkkkk eitxa tá bom já, como diria o garfield: "ponto final, depressa." ;D

Flávia Batista disse...

Oi Robson!!!

muito obrigado pela visita lá no meu blog!
Já estou seguindo o seu. Achei muito legal.

Eu já passei por isso. De uma pessoa falar comigo todo empolgado e eu não fazer a mínima ideia de onde o conhecia. Isso é pessimo.

bjs

VaneZa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Marcel disse...

Em alguns trechos eu pensei que vc estivesse falando de mim (rs).

A. Reiffer disse...

É, acho que temos pontos em comum, fora escrevermos e o gosto pela música erudita... Também não aprecio muito pessoas efusivas, rsrs. Abraços!

Insana disse...

Todo tímido é um falante, basta que de a vez dele falar que já viu ..
Isto acontece sempre comigo.”Oi você é a filha daquela moça de olhos verdes né nossa você cresceu” e eu sei lá quem é a pessoa.

Eu sei de um lugar onde tem muitas felicias ( amei esta parte, acho que hj vou passar o dia lembrando disso) .

Beijos
Insana

Tatiana disse...

Olá Robson... não tirei férias do blog não... antes fosse Meu amigo!
Aos poucos a vida vai retomando o seu curso e volto a estar mais presente.
Adoro livrarias e concordo plenamente contigo, é um lugar onde pincipalmente quem trabalha lá, deveria manter uma certa ordem e silêncio.
Engraçado como muitas vezes idealizamos as pessoas... Eu nem de longe o imagino timido.
Um abraço carinhoso

Mulher Asterísco disse...

Hauhauhaua Somos 2: Minha facilidade com grandes platéias é proporcional ao meu pânico em reuniões festivas kkkkk Adoro encontrar um tagarela pela frente, não preciso nem pensar no que falar...

Marcos Dhotta disse...

Caríssimo Robson...
Eu tanto falo, quanto escrevo (e muiiiito!). As vezes tenho vontade de me esconder de mim. No entanto, consigo ficar absorto, perdido nos recantos de mim mesmo ao frequentar uma livraria.

Maris Morgenstern disse...

eu ri muito.
até pq hoje paguei um mico desses, e, como não sabi o q fazer fiquei ali, "conversando" com a pessoa, bem uns 15 minutos, e ainda não lembrei quem é.
rsrs

Daniel Savio disse...

Rapaz, lembro de um ditado, touro bravo em pasto alheio amansa...

Acho que foi isto que aconteceu contigo.

Fique com Deus, menino Robson Schneider.
Um abraço.