quinta-feira, 25 de março de 2010

Inadequações 2

quinta-feira, 25 de março de 2010

Incrível, mas minhas inadequações continuam com o ar de sua graça.
Hoje menos (?) do que antes óbvio (ham?) mas continuam ali firmes e fortes.
Não sei se isso tem a ver com uma monstruosa e as vezes assassina auto-crítica
que também me acompanha, mas o fato é que tem me incomodado mais
apesar da frequência menor.
Percebo algumas mudanças engatilhadas e como me falou um dia minha ex-terapeuta:
"Existem decisões internas que são o gatilho pra um monte de outras coisas
empacadas e até mesmo arquivadas dentro da gente" algo meio Cold Case.
Mudanças algumas vezes dependem de terceiros, sejam eles pessoas ou
circunstâncias, mas normalmente envolve apenas decisão, aproveitar o momento
certo e agir.
Gosto muito da letra de uma musica do Pit Passarel, gravada pelo Capital Inicial
que diz assim no refrão:
"Vão falar que você não é nada
Vão falar que você não tem casa
Vão falar que você não merece
Que anda bebendo e está perdido
E não importa o que você dissesse
Você seria desmentido
Vão falar que você usa drogas
E diz coisas sem sentido
Se eu for ligar
Pro que é que vão falar
Não faço nada…"
Música: O mundo

Ouvi uma frase num seriado de tv outro dia que funcionou como
um soco na boca do estômago de tanto sentido que fez. Uma agente
do FBI tinha que tomar uma decisão super séria e necessária, mas
tomá-la envolveria muita coisa, inclusive um conflito com valores
politicamente corretos, mas que não trariam a resposta esperada.
Nesse caso a resposta era achar o esconderijo de um terrorista que
estava ameaçando o país com uma potente e letal arma biológica.
A solução seria convencer um agente capturado do grupo terrorista
entregar o esconderijo do chefão. Mas a única maneira de conseguir
isso seria torturando o moço obrigando-o a confessar.
O dilema era passar por cima do politicamente correto e salvar milhares
de vidas inocentes, ou aguardar a "boa" vontade do terrorista e perder
as mesmas milhares de inocentes. No ápice do conflito o parceiro da agente
diz assim pra ela:
- É preciso pensar bem nas decisões que vamos carregar conosco pelo
resto de nossas
vidas ...
Termino aqui com essa super cara de clichê... mas... quem esta livre deles?
É isso.

21 contribuições para o avesso do Blog:

lpzinho disse...

Mandou super bem no post, pra variar.. mas em especial pq parece que era para eu ler este post hj.
Um dia quem sabe eu entenda melhor, mas me caiu certinho em meio ao turbilhão de pensamentos e conflitos interiores deste dia.
Tomar decisões... assumi-las... enfim... ai ai ai sr. Robson... mto bom amigo!!
Abraço!

Lobo Cinzento disse...

As coisas empacadas na nossa cabeça engatilham porque a todo tempo estamos nos reinventando, e nessas reinvenções, muitas vezes surgem as respostas que estávamos esperando para resolver tantos problemas até então sem solução... Assimilação, acomodação, adaptação, já dizia Piaget. XD

E é fato que se a gente liga pro que os outros vão falar, não fazemos nada nessa vida. Sempre tem alguém na esquina pra nos criticar...

Abraços Robson!

Dama de Cinzas disse...

Assim me sinto ultimamente:

"Existem decisões internas que são o gatilho pra um monte de outras coisas
empacadas e até mesmo arquivadas dentro da gente"

Tem algo que está empacando minha vida e quando isso estiver fora, achgo que vou poder solucionar outras coisas pendentes!

Beijocas

Serginho Tavares disse...

basta apenas uma decisão errada pra nossa vida ficar de cabeça pra baixo mas uma decisão certa fará toda diferença
como saber? acho que ninguém sabe

[Farelos e Sílabas] disse...

===

Chego em tua casa e me deparo com um varal cheio de palavras tais como as que disse noutro dia. Sim, falava de inadequação. Te leio com os mesmos detalhes, mudando uma coisa ou outra (o que é necessário!). Sinto-me assim a cada segundo. E a cada minuto que se forma, pondero sobre o que tudo isso me construirá ao final...

Lendo o post, lembrei de uma imagem que persiste meus pensamentos.

Entrementes ao que disse sobre minha inadequação, a imagem que me persiste o pensamento é a de uma luzinha no fim do túnel que avança à medida que continuo caminhando. Ela cresce enquanto me aproximo. Ela some todas as vezes que fecho os olhos. Mas ela está lá. Como não sabia o seu nome, apelidei de minha verdade. Sim, a verdade do meu ser. Toda vez que eu a vejo, sorrio. Somos cúmplices.

Ela é que me dá sentido em meio aos mares de inadequação do dia a dia...

Mesmo soando clichê [e por que não?], tenho aprendido que toda a verdade é luz sobre nós. Não escapam nem mesmo nossas inadequações...

Desejo-lhe um bom e i-[LUZ]-minado final de semana, meu amigo! Um forte abraço!

===

@philipsouza disse...

A reinvenção e inovação sempre serao partes de nos....

abraçao

Francisco II disse...

Inadequações, dúvidas, auto-crítica e auto-estima ora lá em cima...ora lá em baixo.
Qual mesmo o seu signo? KKKKKKKKK
Cara...! Tudo o que vc escreveu (e está perfeito) tem sido o meu dia a dia. E acho que desde que nasci... rsrs
Aquele "duplo" abraço! rs

RAFAEL disse...

Obrigado pela visita Robson, pelas mensagens deixadas...volte sempre...agora vou da ruma fuçada por aqui..

abração

Michele Moura disse...

Eu acredito que a nossa capacidade de conviver com as escolhas que fazemos (quaisquer que sejam), é bem mais importante do que as escolhas em si... :)

bjo querido

Cara de 30 disse...

Bacana o raciocínio... Mas acho que o problema é quando uma decisão ERRADA faz a vida girar velozmente e a decisão CERTA empaca sua vida. Aí é triste.

Sobre o politicamente correto: acho que o mundo de hoje é chato, muito chato. Nada se pode, tudo se tosa. Não podemos falar nada sem pensar para não ofender as minorias. Não podemos fazer nada sem pensar para não termos um dedo apontado à face pelas minorias - ou por seus defensores.

Tenho pena das próximas gerações.

Ava disse...

Robson, com o tempo, com nossas vivências e experiencias, ficamos cada vez mais exigentes com a nossa vida e com tudo o que nos cerca. Daí essa sensação de que
há um caos a nossa volta...

Quanto às tomadas de decições, elas acontecem sempre, umas por nossa vontade, outras nos são impostas, de forma que saber lidar com elas é o grande lance.

Posso te falar por experiencia própria, que lidar com decições, que vão me acompanhar para o resto da vida não é fácil...
Mas não tomá-las na hora certa também tem consequências nefastas...

Portanto, meu amigo, não há uma rota de fuga...rs


Beijos e carinhos meus!

Denise disse...

Consciencia!
Examinar as questões com criterio,e trazer a luz da consciencia daca escolha.
Dificil pacas né...
Ha dias que se escorrega,faz uma escolha equivocada,outros que se age no automatico,mas dia a dia,vai se aprendendo a "vigiar".

bom demais tudo aqui
carinho

Cris disse...

Oi Robson!
Diga lá.....rs

Fechei o RASACUNHOS EM VIDAS há bastante tempo e não escrevo mais por lá. Abri agora esse que vem no meu link de foto, mas é como um desabafo de momentos meus....rs
Não deixei vc fora, não...hehe


Seu texto me faz pensar no movimento constante dessa vida. Tudo se move. Tudo neste planeta está em constante mutação.
Somos levados a fazer escolhas todos os dias e mesmo quando parece que estamos em uma total inércia, acho que é engano de alguma sensação mal sentida por nós mesmos.
Sempre mudamos, optamos, decidimos caminhos.
Isso parece assustador, né? Afinal, como diz na frase do filme, toda decisão será levada por toda uma vida...ow ow

Acho que nos resta contar com nosso lado bom, nosso lado "anjinho"(rsrsrs) e ter olhos para fazer a melhor de todas as escolhas em tantos caminhos.

Beijo pra vc!

Guy Franco disse...

É que viver dá coceira mesmo.

Lívia S. Franzoni disse...

Olá querido amigo Robson...

Lendo seu texto consegui entender melhor alguns dos meus sentimentos nesse momento da minha vida!
Porque realemnte a vida é feita de escolhas e se errarmos uma delas podemos comprometer tudo.
Nunca fui de pensar muito antes de tomar decisões... Durante a adolecência tinha uma frase que dizia o seguinte: "Prefiro me arrepender do que eu fiz, do que me arrepender do que eu deixei de fazer!". Mudei o pensamento durante praticamente 6 anos, e sabe o mais engraçado? Só fiz escolhas e tomei decisões erradas durante todo esse tempo...
Conclusão: Durante o tempo em que eu escolhia caminhos sem pensar muito, fui FELIZ, quando começei à pensar nas escolhas e refletir antes de tomar decisões me tornei triste por dentro...
Mais devagar eu aprendo neh... ^^

Qt ao texto no Palavras ao Vento... Seu comentário foi feito em outro texto muito parecido (porque se trata da mesma pessoa em questão entendeu??? hehehe)
É uma constante complicação entre caminhos e escolhas também...

Mais obrigado pelos comentários!
Sua visitinha é sempre bem vinda...

Bjusss e um ótimo dia para vc amigo!

Mulher Asterísco disse...

vou deixar um e-mail que recebi e que lembrei qdo terminei de ler seu post.
Você é bom em 'TOMAR DECISÕES'?
>
>
>
> Um grupo de crianças brinca próximo a duas vias férreas.
> Uma das vias
> ainda está em uso e a outra está desativada. Apenas uma
> criança brinca na
> via desativada, enquanto que as outras, na via em
> operação. O trem está
> vindo e você está exatamente sobre aquele aparelho que
> pode mudar o trem
> de uma linha para outra.
>
>
> Você pode fazer o trem mudar seu curso para a pista
> desativada e salvar a
> vida da maioria das crianças. Entretanto, isto significa
> que a solitária
> criança que brinca na via desativada será sacrificada.
>
>
>
> Você deixaria o trem seguir seu caminho? O que você
> faria?
>
>
>
> Discuta e anote a decisão e porquê?
>
>
>
>
>
>
> RESPOSTA:
>
>
>
>
>
>
> M
>
>
>
> A
>
>
>
> I
>
>
>
> S
>
>
>
>
>
>
>
> A
>
>
>
> B
>
>
>
> A
>
>
>
> I
>
>
>
> X
>
>
>
> O
>
>
>
>
>
>
>
>
> A maioria das
> pessoas escolhe desviar o trem e sacrificar só uma
> criança.
>
>
>
> Você pode ter pensado da mesma forma, eu acho.
>
>
>
> Exatamente, salvar a vida da maioria das crianças à custa
> de uma só
> criança é a decisão mais racional que a maioria das
> pessoas tomariam,
> moralmente e emotivamente. Mas, você pensou que a criança
> que escolheu
> brincar na via desativada foi a única que tomou a decisão
> correta de
> brincar num lugar seguro?
>
>
>
> Não obstante, ela tem que ser sacrificada por causa de
> seus amigos
> ignorantes que escolheram brincar onde estava o perigo.
>
>
>
> Este tipo de dilema acontece ao nosso redor todos os dias.
> No escritório,
> na comunidade, na política... E especialmente numa
> sociedade democrática,
> a minoria freqüentemente é sacrificada pelo interesse da
> maioria, não
> importa quão tola ou ignorante a maioria seja e nem a
> visão de futuro e o
> conhecimento da minoria.
>
>
>
> Além do mais, se a via tinha sido desativada,
> provavelmente não era segura.
>
> Se você desviou o trem para a outra via, colocou em risco
> a vida de todos
> os passageiros. E em sua tentativa de salvar algumas
> crianças
> sacrificando apenas uma, você pode acabar sacrificando
> centenas de pessoas.
>
>
>
> Se estamos com nossas vidas cheias de fortes decisões que
> precisam ser
> tomadas, nós não podemos esquecer que decisões
> apressadas nem sempre levam ao lugar certo.
>
>
>
> Lembre-se de que o que é correto nem sempre é popular...
> e o que é
> popular nem sempre é correto. E que todo o mundo comete
> erros; foi por
> isso que inventaram a borracha e o apagador.
>

Edu disse...

Bom, pra começar o Jack Bauer é maluco, não se guie por ele! :-) E na dúvida sobre qual decisão tomar, opte pela que te pareça melhor e não olhe mais pra trás, não fique imaginando como teria sido pelo outro caminho. Quando você caminha para o sol, toda sombra fica para trás.

P.S.: Me descobriu te seguindo antes que eu pudesse me apresentar, garoto esperto!

Edu disse...

Mulher*, acho que eu matava todas as belas criancinhas estúpidas. De gente inconsequente o mundo já tá cheio, hehehe...

Mas o google reader não perdoa. Cadê o post tão absurdamente perfeito sobre "só ser"?

lpzinho disse...

Opa.. olá amigo! Passando pra mais uma vez agradecer a simpatia e elegância com as palavras no meu blog!!
Um super mega ultra feliz e apertado abraço ehehhe ou melhor, um efusivo abraço e bom feriado eheheh Se cuida sempre!! \o/

Lila disse...

Diferenças...o que seríamos sem elas?
Preconceitos são meras jaulas onde nos escondemos, por vezes, sem janelas.
Escreve divinamente.
Parabéns
Feliz Páscoa.
Bjkas

Daniel Savio disse...

Tudo é caso do que você estar a fim de arcar, seja dor, ou prazer...

Fique com Deus, menino Robson Schneider.
Um abraço.